Aviso

USE O LINK ACIMA PARA CONTATO SOBRE EVENTUAIS ENFRENTAMENTOS DE FASES NEGATIVAS, TROCA DE EXPERIÊNCIAS, BUSCA DE REEQUILÍBRIO.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

EsoEstudos - Estudos Esotéricos Livres

Um clipe de música que bem serve de ilustração para a projeção astral.



Corpo Mental - referência - André Luiz


A referência ao corpo mental não é muito comum nas obras espíritas. Mas não se pode dizer que o tema não tenha sido abordado. Vejamos:

Para definirmos, de alguma sorte, o corpo espiritual, é preciso considerar, antes de tudo, que ele não é reflexo do corpo físico, porque, na realidade, é o corpo físico que o reflete, tanto quanto ele próprio, o corpo espiritual, retrata em si o corpo mental que lhe preside a formação.
[Evolução em Dois Mundos - pág. 18]

No livro referenciado, há uma nota do autor espiritual muito interessante:


O corpo mental, assinalado experimentalmente por diversos estudiosos,é o envoltório sutil da mente e que, por agora, não podemos definir com mais amplitude de conceituação, além daquela em que tem sido apresentado pelos pesquisadores encarnados, e isto por falta de terminologia adequada no dicionário terrestre. (Nota do Autor espiritual)


Luiz Gonzaga Pinheiro (O Perispírito e suas Modelações) oferece a seguinte ilustração:








sábado, 18 de junho de 2011

Deus e deuses...

A cosmoética parece mesmo subentender um padrão vibratório irresistível. O ente coletivo formado, digamos, pela população de lobos de um bioma está sob a ação de um Espírito-grupo, tanto quanto todas as demais populações bióticas, cada qual sob a influência de um. Quando pensamos em vegetais ou animais, concordando ou não com a teoria dos Espíritos-grupo, não causa maior estranheza. Começa a complicar quando pensamos no ser humano. Há quem defensa a tese de que a população humana compõe um ente coletivo também sob a influência direta de um Espírito-grupo (não se utiliza essa denominação, mas fica mais fácil assim dizer). Quem assim pensa, entende que a individualidade e o livre-arbítrio de cada ser componente do ente coletivo são algo como funções complexas que partem de uma inteligência original, que se desdobra e se projeta.  Como o Espírito-grupo é inimaginavelmente mais complexo que cada ser humano, é tido como um deus a quem esses seres humanos sentem-se vinculados. O Espírito-grupo da humanidade terrestre seria diferente do Espírito-grupo da humanidade de outro orbe. A interação do Espírito-grupo com cada ser humano seria a força irresistível a que costumeiramente se denomina "ascendência moral". Um Espírito mais avançado que o comum da humanidade estaria para o Espírito-grupo como um foco mais adestrado e bem burilado do que o geral. Os Espíritos, por assim dizer, trevosos, seriam focos menos adestrados, submetidos ao sabor de uma influência maior do cabedal de automatismos. O Espírito-grupo da Terra seria o que muitos denominam Cristo Planetário. Um deus que, não sendo "o Deus", estaria ainda em progresso, exercendo dentro de seus limites a capacidade de participar da Obra, inclusive quanto à criação de focos de inteligência --- a partir do princípio inteligente até entes individualizados. "Sois deuses"... Será?

terça-feira, 14 de junho de 2011

A Psicometria - Visão Espírita (André Luiz)

A psicometria pode ser assim conceituada, segundo André Luiz: "A faculdade de ler impressões e recordações ao contacto de objetos comuns" (Nos Domínios da Mediunidade - pág. 224). Quem já leu o capítulo "Laboratório do Mundo Invisível" de "O Livro dos Médiuns", bem sabe que o pensamento movimenta e amolda formas nos fluidos ambientes. Dessa forma os Espíritos apresentam-se vestidos e munidos dos apetrechos mais comuns ao seu dia-a-dia. No caso da psicometria, o fenômeno é inverso. 

Sempre que o pensamento focar um certo objeto em recordação constante, mesmo inconscientemente, esse objeto ficará imerso nos fluidos correspondentes a esse pensamento. Um fluido --- somos quase sempre tentados a assim pensar --- não é como um fluido físico, algo como uma substância que parte de uma fonte em direção a algo. Não. É uma irradiação, um fenômeno ondulatório que se propaga no fluido cósmico que a tudo permeia.

Assim, o pensamento provoca agitações no fluido cósmico e se propaga. Tão logo encontre o alvo para o qual,  enquanto fenômeno ondulatório, foi irradiado, nele induz semelhantes vibrações por ressonância. O fluido cósmico que interpenetra o objeto do pensamento nele se agita sob a modelagem inicial do pensamento.Por isso o objeto ganha uma aura de vibrações tão fortes quanto mais homogêneo e constante for o pensamento irradiado.

Vejamos novamente André Luiz: "Todos os objetos que você vê emoldurados por substâncias fluídicas acham-se fortemente lembrados ou visitados por aqueles que os possuíram." (ob. cit. - pág.225).

Uma pessoa com suficiente sensibilidade, ao tocar um objeto assim, perceber-lhe-á a mensgem codificada no pensamento original. É assim que os psicômetras podem descrever o dono de um objeto. Dependendo do que o objeto represente para o seu dono, toda uma cena poderá ser percebida, como o evento em que foi recebido como presente, ou algo semelhante.

Mas a psicometria só existe se o objeto estiver, efetivamente, sob o pensamento de alguém. Caso contrário, não terá em si as vibrações emanadas do pensamento e, portanto, nada haverá a ser percebido.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

TERMINOLOGIA ESOTÉRICA - II

2.3.   CORPO ASTRAL –  É o Corpo Espiritual, o Perispírito (Espiritismo), o Psicossoma (Espiritismo / Conscienciologia), o Manomayakosha (Índia). É o veículo de manifestação da consciência no qual se ambientam os fenômenos emocionais. Ganha a designação corpo dos desejos no rosacrucianismo de Heindel.
2.4.   CORPO MENTAL / CORPO CAUSAL – É o veículo de manifestação da mente – o mentalsoma. Usando a conceituação de Heindel, o corpo mental é o corpo em que se manifesta o ser no Mundo do Pensamento Concreto. Fazendo uma integração com a Teosofia, o corpo causal é o veículo de manifestação no Mundo do Pensamento Abstrato. No mesmo contexto, a Teosofia fala em Manas inferior e Manas superior – Manas inferior é a individualidade, a personalidade que se reconhece, é o agente do livre-arbítrio. O corpo causal ambienta-se no mental superior.