Aviso

USE O LINK ACIMA PARA CONTATO SOBRE EVENTUAIS ENFRENTAMENTOS DE FASES NEGATIVAS, TROCA DE EXPERIÊNCIAS, BUSCA DE REEQUILÍBRIO.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Natal... Oração e Ação!


Muitas vezes as coisas da vida parecem meros simulacros de idéias boas porém inatingíveis... Conceitos áureos de benevolência, indulgência e perdão perdem-se em meio ao egoísmo com que a grande maioria se embala diante dos fatos comuns do dia-a-dia. Isso quando não se tornam apenas uma mal dissimulada vestimenta para a vaidade dos que se acham “bonzinhos” e legitimados às bênçãos do céu.

A auto-corrupção com que tantos se deitam no divã das vítimas chega a patamares patológicos. Para muitos não há como vencer o inimigo que se situa em sua própria alma... Sentem-se as eternas vítimas dos infortúnios que, em grande parte, são por si mesmos forjados no destino.

Falta coragem... Aliás, duas possibilidades existem para todo e qualquer ser humano:

  1. Ou se apega à fé religiosa e transcende os obstáculos sob a força da confiança plena na ordem absoluta do Cosmos,
  2. Ou chama para si a responsabilidade de enfrentar as dificuldades e combater com todas as suas forças, seja qual for o estado em que as coisas se acham a cada momento.

Fora dessas opções o ser encontra apenas a degradação de si mesmo, definhando sob a centrípeta covardia que o deforma em direção a seu próprio ego...

  1. A prece sincera é um instrumento verdadeiramente sagrado de elevação da alma. 
  2. O bom combate aproxima o homem do senso de dever, muito acima do mero livre-arbítrio.


Portanto:

  • Todo aquele que buscar o socorro das Luzes do Céu (1)
  • enquanto luta com destemor pela realização de seus deveres (2),
  • atingirá a ascensão e o desapego dos valores comezinhos da vil realidade que a maioria insiste em cultivar.


BOM NATAL... PRÓSPERO 2013...



sábado, 22 de dezembro de 2012

Oitava Esfera... novamente...

A Oitava Esfera já foi abordada neste espaço e, por óbvio, não se chegou  a conclusões concretas, até porque não há muitas informações disponíveis fora dos círculos fechados de certas irmandades esotéricas. Se é que há muito mais acerca desse tema...

Mas, enfim, há algo mais que se colhe das miríades de textos que resvalam no assunto. Há várias interpretações sobre o fenômeno Queda, como já visto. Ao que parece, uma versão curiosa existe sobre a Oitava Esfera.

Após a integração plena na individualidade absoluta, com a encarnação no plano físico sob o inexcedível rigor das restrições materiais, o evolucionário passou a agregar aprendizado ao gigantesco concerto de impulsos lapidados durante a vida animal. O império dos instintos passou a ceder lugar ao conhecimento, à cognição, à capacidade de aprender.

O homem comeu do fruto do conhecimento.

Duas grandes vertentes vêm convivendo desde então. Os Filhos da Água, devocionais, emotivos, cheios de fé e livremente submissos à orientação dos credos religiosos, e os Filhos do Fogo, orgulhosos, racionais, cheios de convicção e donos de suas decisões. Os Filhos do Fogo desde sempre aram a terra e constroem os meios de sua sobrevivência; os Filhos da Água mantêm a humanidade vinculada aos valores magnos da alma, edificando as obras sociais e de socorro em geral. Sem os Filhos do Fogo não haveria o que os Filhos da Água pudessem usar no auxílio aos necessitados.

Segundo a Lenda Maçônica, na construção do Templo de Salomão tentou-se a reunião dos descendentes de Caim e dos filhos de Seth. Mas o "crime" de Caim fez com que os filhos de Seth, traiçoeiramente, tentassem apagar, com sua Água, o Fogo usado por Hiram na construção do Templo. É mais um símbolo de que a humanidade ainda não estava pronta para unificar o livre-arbítrio com o senso de dever.

Em meio a essa mitologia (ou misticismo) toda, há quem defenda que há mesmo um líder no comando dos seres excessivamente orgulhosos de sua livre escolha... Seria uma minoria de evolucionários que se desviaram do aprendizado que cabia aos Filhos do Fogo, mais uns tantos Filhos da Água que se deixaram seduzir pela vaidade extrema de um clero onipotente. Uma minoria muito perniciosa... Uma minoria muito perigosa... Uma minoria sem quaisquer preocupações cosmoéticas... A liderança dessa minoria, segundo se diz, cabe a uma personalidade extremamente carismática e capaz de conduzir seus "escolhidos".

O nome desse líder varia muito e está presente em todas as culturas da antiguidade. Não vamos sequer tentar listar exemplos.

O que importa é que essa minoria acha-se sob extrema organização hierárquica, no pior estilo militar (uma gestapo, uma SS), sob regime de eficácia plena e tolerância zero entre seus membros. Não são nem um pouco piedosos para com os que lhes cause algum transtorno. 

Essa minoria pretende se estabelecer na Oitava Esfera como "legítimos donos" de uma via paralela de evolução, na qual não haveria (em tese) nenhuma influência da Ordem Universal do Cosmos. Estaria aí a autêntica base do simbolismo de um certo Lúcifer? O que explicaria a extrema maldade dos rebeldes é a necessidade de adensamento total de seu corpo espiritual até o ponto de ser atraído pela Oitava Esfera, cujas características se foram estabelecendo sob um padrão de materialidade ainda maior do que o da Terra. Vibração espiritual em padrões densos do corpo espiritual significa, na prática, emoções extremas daquilo que aprendemos a chamar de "maldade" (ou seja, o império absoluto dos instintos sob a direção amoral da racionalidade).



         



segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Tarefa de Consolação

A tarefa de consolação, muitas vezes, é abordada como uma missão menor quando comparada à tarefa de esclarecimento. Não parece ser assim quando meditamos sobre a situação da humanidade. Um ponto que merece destaque é que ocorre um equívoco de avaliação muito comum quando alguém se lança na tarefa de consolação com o coração pleno de expectativas acerca de uma possível modificação do status dos seus semelhantes perante a Vida.

Que espera quem distribui alimentos, roupas, dá abrigo etc? Ajudar o seu semelhante, sem dúvida. Ainda assim é preciso ter consciência de que ninguém pode ser ajudado senão na exata medida em que deseje ser ajudado. 

Os fenômenos humanos desdobram-se nos planos físico, astral e mental. Tomemos a fome como exemplo. A falta de nutrientes no organismo físico deflagra o impulso fome e o ser é compelido ao comportamento de buscar alimento. Nem sempre o homem consegue o que comer, por maior que seja sua fome, de modo que a frustração do impulso gera toda sorte de efeitos, não só fisiológicos como psicológicos.

Nesse ponto, ao receber o alimento por força de uma ação social, poderá vibrar seu Espírito em diferentes níveis de espiritualização.

Se ficar no nível físico, receberá o alimento e o devorará, liberando suas reações no patamar mais básico e instintivo. Poderá pensar no que vai fazer depois, cogitando de um delito ou da realização de algum serviço em troca de mais alimento, ou mesmo de algum dinheiro. O primeiro estará recebendo apenas alimento físico; o segundo receberá o alimento e algum estímulo a uma conduta cosmoética adequada.

Se o indivíduo ajudado sentir-se agradecido às pessoas que lhe dão de comer, esse estado de alma poderá propiciar a absorção do alimento e dos fluidos ambientes, comungando da egrégora, comumente mais aprazível, dos que estão em realização. Alimentará o seu físico e o seu duplo etérico.

Se o individuo ajudado erguer o seu pensamento em direção aos valores que aprendeu a chamar de sagrados, ou simplesmente de bons, com ou sem religiosidade, enfim se orar, meditar, se fizer uma prece sincera, não apenas o seu duplo etérico estará em comunhão com a egrégora circundante mas o próprio psicossoma entrará em sintonia. O alimento da alma será até mesmo mais relevante do que o alimento físico.

Se o indivíduo ajudado verdadeiramente sentir-se parte do Cosmos e se reconhecer como uma centelha de vida recebendo o que lhe cabe naquele momento de acordo com o perfeito enredamento de causa e efeito do Universo, estará alimentando o seu corpo mental, elevando-se pela diminuição do personalismo do plano das formas em benefício da espiral ascendente que o leva à Paz e à Serenidade.

Como se vê, a tarefa de consolação deve ser sempre e sempre desempenhada, porquanto não sabemos quem estará recebendo e todos se beneficiarão. Mas saibamos que não devemos ter quaisquer expectativas, pois quem recebe ajuda, como em tudo o mais no Cosmos, só a recebe na exata medida de seu mérito.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Busque... Fundamentalmente, busque...



EsoEstudos - Estudos Esotéricos Livres

Moisés foi um homem...

Quando o assunto é a história do povo hebreu, sempre e sempre polêmicas se estabelecem em razão das evidências historiográficas contrastarem com a versão existente no texto bíblico que chegou até a atualidade.


Mesmo no seio da discussão bíblica, estritamente considerada, há divergências conforme se tome essa ou aquela tradução, máxime em relação ao texto hebraico original.

É reconfortante ver como praticamente todas as referências místicas do longo episódio bíblico podem ser interpretadas à luz da razão e das circunstâncias geopolíticas então vigentes.

Os hebreus se estabeleceram ao norte do Egito. Não chegaram lá senão como um povo bem organizado e, diga-se, militarmente bem treinado e capacitado. Muito provavelmente permaneceram ao norte em comunhão de interesses com o Faraó, vivendo das terras férteis ao mesmo tempo em que propiciavam um competente tampão militar de proteção perante os povos mais ao leste. Para os hebreus a situação era boa o bastante para mantê-los ali por muito tempo, tanto assim que houve aumento da população e a correspondente penetração mais ao sul, conquanto tenham-se mantido na zona setentrional do Egito.

Seja como for, a capacidade de combate dos hebreus manteve-se sob o receio de ataques externos, sedimentando-se um exército sempre treinado e equipado com o que havia de melhor em termos de armamento de infantaria, arqueiros, fundeiros, faltando apenas veículos e artefatos mais pesados. Por outro lado, da simbiose entre os interesses egípcios e hebreus adveio a adoção das bem elaboradas técnicas de combate que caracterizavam o exército do Faraó. A falta de veículos se compensava por uma infantaria dividida em leve e pesada, com estratificações que garantiam maior mobilidade, além do apoio das flechas e petardos lançados pelas fundas.

Após vários anos de convívio deve ter-se colocado à consideração do Faraó até que ponto o Egito podia confiar no povo hebreu. A boa proteção garantida ao norte poderia, ante uma simples mudança de interesses, transformar-se em uma temida aliança entre os hebreus e quaisquer outros povos que disputavam a predominância egípcia. De fato, a zona de influência e dominação egípcia chegou até a Mesopotâmia, pelo que acumularam-se inimigos efetivos e potenciais.

Houve um endurecimento da política do Faraó em relação aos hebreus. Mas dificilmente terá ocorrido a escravidão de que fala a bíblia. Não tem sentido que um povo com exército bem armado e treinado simplesmente aceitasse passar de conviva a escravo tão só por ordem do Faraó. Mas é viável que aos hebreus tenham sido impostos novos deveres, principalmente de ordem obreira, passando-se progressivamente a obrigações maiores na execução de obras públicas. O povo guerreiro e agricultor teve que se adaptar a uma vida de trabalhos árduos na edificação dos intermináveis projetos de engenharia egípcia.

Por si só essa alteração, com o passar dos anos, gerou um acúmulo de tensão e insatisfação dos hebreus. Um povo guerreiro agricultor é dono de uma cultura cuja mudança demandaria benefícios reais e não a mera imposição do governo que, até então, tinha-os como povo amigo.

O que ocorre quando um povo potencialmente capaz de se defender se acha sob insatisfação generalizada? Surge um revolucionário...

É difícil definir ou explicar o que faz de um homem um líder carismático, capaz de conduzir multidões e polarizar a opinião da maioria. Mas, na história humana, eles jamais deixaram de surgir aqui e acolá sobre o terreno fértil da revolução política.

Moisés era um hebreu muito afeito à pecuária, conduzindo animais por toda a região. Conhecia muito bem o deserto entre o norte do Egito e o Oriente Médio. Muito bem mesmo. Sabia, por exemplo, onde e quando o mar vermelho recolhia-se em maré baixa ao norte, acelerado pelos fortes ventos que vinham do sudeste, desde o Sudão. O mar vermelho convertia-se em um pântano lodoso por algumas horas, retornando à condição original logo em seguida. O conhecimento desse fenômeno era imprescindível aos pastores que tinham que aproveitar a oportunidade para cruzar de um lado ao outro.

Além de conhecer o deserto e viver sob a geopolítica de sua época, Moisés tinha uma aguda percepção de seu povo. Sabia de sua veia religiosa monoteísta e do altíssimo orgulho que envaidecia o “povo escolhido”. Um barril de pólvora cujo pavio estava aceso desde que o trabalho nas edificações passou a ser exigido.

Aproveitando-se dessa religiosidade, Moisés incitou as pessoas a seguir a inspiração do único deus de Israel. Não eram o povo especial? Então tinham direito a um país somente seu, sob um governo próprio, um lugar que, não sendo ali, deveria ser buscado sob a promessa de leite e mel.

Até mesmo a coluna de fogo que conduziu o povo hebreu pelo deserto tem origem na pura tradição militar egípcia. Aliás, representa um golpe de mestre de Moisés em relação ao exército do Faraó que pretendia interceptar o povo hebreu que se retirava.

Não é crível que sete ou dez pragas tenham caído sobre o Egito como castigo divino depois que o Faraó negou o pedido de Moisés de liberação dos hebreus. Menos crível ainda é que o Faraó tenha cedido por medo de tais pragas, inclusive determinando que fossem fornecidos suprimentos, prata e ouro para os compatriotas de Moisés. É mais ou menos isso que a bíblia diz.

Bem menos fantasiosa é a tese de que, ao comando de Moisés, os hebreus tenham literalmente tomado à força os víveres e espoliado os egípcios de seus bens antes de deixarem a região que ocupavam. Na bíblia hebraica o verbo usado ao descrever o que os hebreus fizeram é algo próximo de espoliar. O Faraó mandou seu exército atrás dos hebreus em resposta à agressão sofrida, tencionando interceptá-los antes que estivessem longe demais.

Os guerreiros egípcios tinham veículos. Moviam-se com rapidez. Os hebreus caminhavam. Por óbvio Moisés sabia disso e não deixou de prever a estratégia necessária para ter sucesso na saída do Egito.

Os hebreus aprenderam com os egípcios que manter uma tropa junta durante um deslocamento exigia alguma forma de controle e referencial. Um aparato feito com uma longa vara ostentava, no ápice, um recipiente com combustível. Durante o dia, uma pequena tampa fazia com que uma língua de fumaça fosse visível desde o início até o fim da coluna em deslocamento. À noite, sem a pequena tampa, uma labareda de fogo era a referência luminosa que seguia à frente.

Moisés defletiu o deslocamento para o sul e postou a vara de fogo, ao invés da frente, no início das tropas que se deslocavam. Quando o exército do Faraó finalmente conseguiu se aproximar dos hebreus já era noite. A coluna de fogo, postada ao contrário na coluna dos hebreus, deu a nítida impressão ao comandante egípcio de que os hebreus provavelmente estavam desorientados. Como era noite e notando que a coluna se imobilizara, concluiu que os hebreus resolveram acampar. Lutar à noite não seria vantajoso para nenhum dos lados, de modo que a tropa egípcia pernoitou a fim de iniciar o combate com o raiar do dia. A barra de fogo ficou acesa por horas, ficando entre a tropa egípcia e os hebreus, conquanto os egípcios imaginassem que estava na cabeceira da coluna. Por um efeito simples que a luz intensa da chama provoca na visão, como bem o sabia Moisés, os egípcios, por mais que tentassem, não podiam ver nada além da chama. Não viram, portanto, que os hebreus, ao invés de acampados, estavam se deslocando em direção ao mar vermelho.

Com o raiar do dia, o comandante egípcio não vislumbrou adiante um exército acampado. Seguiu rapidamente mas não antes dos hebreus aproveitarem o fenômeno da maré baixa ao norte e dos fortes ventos de sudeste. O mar vermelho não ofereceu nenhum obstáculo aos hebreus. Já para os egípcios... Quando a tropa do Faraó chegou à margem, o nível da água já havia subido bem mais e o solo pantanoso simplesmente fazia os veículos atolarem... Touché... Moisés dera uma cartada de mestre...

O povo hebreu seguia o seu líder confiante e orgulhoso de estar em busca da terra onde jorram leite e mel.

O problema é que, entre a saída do Egito e a chegada a Canaã, seguiram-se inúmeras batalhas descritas na História. Milhares de militares inimigos foram mortos, juntamente com suas esposas e filhos. O morticínio foi tamanho que Phineas recusou-se, em certa ocasião, a matar as mulheres e crianças. Moisés mandou que os sobreviventes fossem passados ao fio da espada.

A postura de Moisés chegou ao apogeu quando, temendo pela obediência plena e absoluta de seus subordinados, convocou os levitas. Os levitas eram sacerdotes, religiosos ao extremo, de modo que Moisés sabia que a imagem de mensageiro do único deus de Israel lhe garantiria essa obediência cega. Moisés simplesmente mandou que os levitas comandassem suas tropas e matassem todos os hebreus não levitas, mesmo que isso atingisse eventuais parentes.

Cerca de três mil hebreus foram assassinados por ordem de Moisés, executados pelos levitas. Moisés garantiu-se como ditador absoluto e governou com mão de ferro o povo assim moldado por sua política revolucionária.

O único ponto bíblico que parece ter realmente sentido é o trecho que afirma que Moisés não entraria em Canaã. Realmente, após genocídios seguidos, o próprio povo hebreu saturou-se da brutalidade mosaica. Não se sabe se foi morto por um de seus subordinados, mas é a tese mais lógica. Afinal, depois que tudo estava consumado, Canaã estava logo adiante e a brutalidade de Moisés tornou-se temerária. É o fim mais comum dos grandes revolucionários que, fazendo o que for necessário para os fins perseguidos, exaurem-se na missão assumida como uma chama cuja intensidade exacerbada precipita-se nas trevas com a mesma brutalidade.

Outros tempos... Outros valores... A mesma falibilidade humana...

Fonte das informações:
"Batalhas A.C. - Moisés: Fugindo da Morte"


sábado, 6 de outubro de 2012

Jesus foi um homem...

Há um excessivo apego das pessoas em geral ao caráter sobrenatural e miraculoso com que, principalmente no Ocidente, as religiões descrevem a vida e ministério dos Grandes Mestres. A maioria parece não considerar possível que a essência transcendente das coisas do espírito possa ser concebida senão diante de uma extensa fenomenologia mística, eventos inexplicáveis que, de uma forma ou de outra, contrariem as leis naturais. 

Waldo Vieira aponta uma “excessiva divinização” de Jesus na cultura predominante. Um capítulo-página-síntese (ou algo assim) de seu livro “700 Experimentos de Conscienciologia – 1994” chega a ser iconoclástico (assim o desejando ou não o referido pesquisador) e até mesmo desrespeitoso para com a figura de quem pregou o Amor numa época em que o “olho por olho” era o padrão comum e plenamente aceito em praticamente todo o Ocidente de então. 

Mas não chega a ser desprovido de razão no que concerne ao âmago da questão. 

Será necessário acreditar que “Deus” encarnou como homem para que os ensinamentos desse homem sejam considerados válidos? A grande maioria dos espiritualistas parte do princípio de que Jesus não se confunde com “Deus”... 

Sequer tem sentido prático cogitar da essência de “Deus” (daí o uso das aspas neste texto). Ubaldi informa que não há propósito em separar o Criador da Criação, emprestando velho ensinamento dos Orientais. Os rosacruzes (linha de Heindel) vão mais longe, discriminando entre Jesus e o Cristo, como muitas outras correntes mais recentes o fazem. Aqui neste blog este tema já foi várias vezes abordado

O que se pretende retomar, agora, é que o nível elevadíssimo do Espírito que encarnou como Jesus, independentemente de ter sido ou não um Espírito Crístico, teve uma vida bem menos espetacular que hoje a cristandade insiste em acreditar. Bem menos “espetacular”, veja-se. Não menos importante, tampouco menos válida. 

Uma visão bem menos sensacionalista da vida de Jesus pode ser achada em “A Vida de Jesus ditada por Ele mesmo”, ou “Jesus dos 13 aos 30 Anos” (FRANCISCO KLÖRS WERNECK). Não importa se esse ou aquele conta a “história verdadeira”... Não importa, mesmo, de verdade... 

O que importa é a essência dos ensinamentos. 

Um homem... com uma Alma límpida do ponto de vista de seus sentimentos, emoções e determinação quanto ao ensinamento ministrado. Não foi uma mente científica ou filosófica, mas sim uma mente bem ajustada e em sintonia com o que era, naquele momento da Humanidade, necessário para a modificação dos referenciais religiosos. Do que disse, hoje temos variantes que devem ser consideradas em sua essência e não na literalidade. 

O mundo não precisava de um filósofo maior do que a Vida já produzira. Não precisava, tampouco, de um misticismo maior do que as ciências antigas das Escolas de Mistérios dos egípcios cuidaram de manter nos círculos esotéricos. O mundo precisava de alguém que falasse ao povo como parte dele. De alguém que ensinasse o Amor sem digressões condoreiras restritas aos doutores. De alguém que surpreendesse os doutores exatamente pelo caráter simples de conceitos que lhes calaram fundo com foros de verdade intuitiva, verdade cuja menção simplesmente não saíra de suas orgulhosas culturas. Um homem bem diferente de alguém que as pessoas teimam em imaginar flutuando sob uma aura de incognoscível beatitude devolvendo a visão a cegos, fazendo paralíticos andarem e - nada menos que isso! - um certo Lázaro ressuscitar dos mortos... Ele próprio teria que voltar ao mesmo corpo físico para convencer seus apóstolos!!!???

Insisto: será que se nada disso fosse contado acerca de Jesus seus ensinos seriam menos valiosos?

Por que as pessoas aceitam algo tão absurdo como “Deus” encarnado, traído, molestado e assassinado? 

Jesus foi um homem... Um homem excepcionalmente bem preparado espiritualmente para sua elevada missão. Mas um homem. O Cristo Planetário é Jesus? Não sei... Isso também não tem nenhuma importância... Como sempre, o que importa é o ensinamento...

Jesus foi o Amor maior que um homem pode vivenciar...

sábado, 28 de julho de 2012

Bonobos, maníacos sexuais de outrora...

Na postagem anterior, duas informações complementam-se em seu conteúdo esotérico. A identidade genética dos bonobos em relação aos humanos é espantosamente alta. Da mesma forma, segundo o rosacrucianismo de Heindel, compõem coletividade degenerada cuja retomada evolutiva jaz guardada para a próxima ronda, ou período planetário (nenhuma ovelha se perderá).

Para relembrar: Bonobos...

Quem quer que leia sobre bonobos saberá que a vida dos grupos se assenta na plena liberdade sexual. Raramente há conflitos, tudo se resolvendo pela busca constante de prazer sexual. Já houve notícia de bonobos machos que ficam, por assim dizer, excitados na presença de mulheres... A languidez decorrente dos seguidos desafogos pode bem ser observada também.

É o que ocorre com os evolucionários que, atingida a humanidade, optam pela reiteração descriteriosa da busca de prazer sexual. O êxtase sexual compreende movimentação imensa de energias em todos os níveis conscienciais. Se bem dirigida essa energia, desperta, ativa e intensifica os chakras superiores; se desperdiçada nas sensações meramente prazerosas, alimenta apenas os chakras inferiores, o que leva, depois de muito tempo, à reativação dos ciclos que já se havia ultrapassado --- é a degeneração.

Claro que isso não implica em degeneração definitiva... Mas gera atraso e o ser não pode continuar na mesma onda de vida dos que, mal ou bem, conseguem seguir adiante.

Os bonobos são nossos irmãozinhos descuidados de si...


domingo, 15 de julho de 2012

Bonobos...


Do site G1-Globo


13/06/2012 16h04 - Atualizado em 13/06/2012 17h14

Mapa genético do macaco bonobo é 98,7% igual ao humano, 


diz pesquisa

Cientistas terminaram de mapear o material genético do macaco.
'Bonobos fazem amor, e chimpanzés fazem guerra', segundo pesquisador.

Do G1, com agências internacionais
14 comentários
Os cientistas terminaram de mapear o DNA do macaco bonobo, segundo pesquisa publicada na revista "Nature" nesta quarta-feira (13). Alguns pesquisadores dizem que isso pode, no futuro, revelar segredos sobre como o lado mais sombrio de nossa natureza evoluiu.
Trata-se do sequenciamento do último grande símio que restava analisar, já que o chimpanzé foi sequenciado em 2005, o orangotango, em 2011 e o gorila em 2012.
Os cientistas descobriram que estamos tão próximos geneticamente do bonobo, que é pacífico mas pouco conhecido, como do chimpanzé, mais violento e mais bem compreendido. É como se eles fossem irmãos, e nós, primos, relacionados aos dois igualmente, partilhando alguns traços apenas com os bonobos e outras características apenas com os chimpanzés.
Bonobos e humanos compartilham 98,7% do mesmo mapa genético, o mesmo percentual compartilhado pelos humanos com os chimpanzés, de acordo com o estudo. Os dois macacos têm uma relação muito mais estreita entre si - compartilham 99,6% de seus genomas - disse o principal autor do artigo, Kay Prufer, geneticista do Instituto Max Planck, na Alemanha. "Os seres humanos são um pouco como um mosaico dos genomas de bonobos e chimpanzés."
Mãe e filho bonobo são mostrados em foto sem data cedida pela associação Amigos dos Bonobos (Foto: AP)Mãe e filho bonobo no Congo são mostrados em foto sem data cedida pela associação Amigos dos Bonobos (Foto: AP)
Diferenças
Os bonobos e os chimpanzés têm comportamentos distintos que podem ser vistos em humanos, com bonobos mostrando o que poderia ser pensado como nossos "anjinhos", explica o pesquisador Brian Hare, da Universidade Duke.
Bonobos fazem amor, não guerra. Já os chimpanzés matam e fazem guerra. Bonobos compartilham comida com estranhos, mas os chimpanzés, não. Bonobos ficam perto de suas mães - que, inclusive, escolhem os companheiros de seus filhos - muito depois da infância, assim como seres humanos. Mas os chimpanzés tendem a usar ferramentas melhor e a ter cérebros maiores, como os seres humanos, sugere a pesquisa.
"O genoma do bonobo é o segredo para a biologia da paz?" perguntou Hare, que não estava envolvido na nova pesquisa. "Eles fizeram algo em sua evolução que nem os humanos podem fazer: eles não têm o lado negro que temos.”
"Se nós tivéssemos estudado apenas os chimpanzés, teríamos uma visão distorcida da evolução humana", disse ele.
O bonobo Mikeno, no Congo, é mostrado em foto sem data cedida pela associação Amigos dos Bonobos (Foto: AP)O bonobo Mikeno, no Congo, é mostrado em foto sem data cedida pela associação Amigos dos Bonobos (Foto: AP)
Ancestrais
Bonobos, chimpanzés e seres humanos compartilharam um único ancestral comum de cerca de 6 milhões de anos atrás, disse Prufer. Os chimpanzés e os bonobos partilham o mesmo ancestral comum até um milhão de anos atrás, quando o rio Congo se formou. Em seguida, os bonobos se desenvolveram de um lado do rio, e os chimpanzés de outro. Tornaram-se espécies diferentes, embora os cientistas não soubessem disso até cerca de 90 anos atrás.
"As cabeças dos bonobos são ligeiramente menores, e os seus dentes estão dispostos de forma diferente. No comportamento, os bonobos são muito mais tolerantes, mais sociais. Eles são excessivamente sexuais: em vez de liberar a tensão pela luta, eles se aninham repetidamente", disse Hare. "Bonobos são governados por mulheres alfa, e os chimpanzés, por machos", reitera.
De algumas maneiras - especialmente quando se olha para a fisiologia do cérebro - é como se um bonobo fosse um chimpanzé juvenil que não se desenvolveu, segundo Hare. "Os chimpanzés ficam mais violentos à medida que envelhecem; os bonobos não", afirma.
Embora o nome científico para os bonobos seja Pan paniscus, “deveria ser Peter Pan", segundo Hare. "Eles nunca crescem e nós temos muitos dados para apoiar essa ideia. Grande parte da sua psicologia parece estar congelada", disse.
Alguns pesquisadores dizem que Hare romantizou demais o bonobo. O pesquisador Bill Hopkins, da Universidade Emory, diz que ele tem mais cicatrizes de bonobo em seu corpo do que cicatrizes de chimpanzés. "Claro, bonobos vão morder, mas não vão matar", disse Hare.
Bonobos são uma espécie ameaçada e vivem apenas na região da República Democrática do Congo, devastada pela guerra. "Ironicamente", disse Hare, "os bonobos são do lugar onde as pessoas estão no seu pior".

INVOLUÇÃO, EVOLUÇÃO E EPIGÉNESE  

A TRÍADE DO PROGRESSO 


     No processo da evolução, aqueles que não progridem e não se esforçam na formação de novas características ficam para trás e imediatamente começam a degenerar. Só os que conseguem ser flexíveis, adaptáveis e ter uma certa plasticidade podem modelar novas formas apropriadas para a expressão da consciência que se expande. Só a Vida que é capaz de aumentar as possibilidades no crescente aperfeiçoamento da forma que anima, pode evoluir com os adiantados de qualquer onda de Vida. Os outros devem ficar para trás.


      Este é o núcleo dos ensinamentos ocultos. O Progresso não é apenas desenvolvimento nem só Involução e Evolução. Há um terceiro factor formando uma tríade: Involução, Evolução e — Epigénese. 


      As primeiras duas palavras são familiares a todos os que estudam a Vida e a Forma, mas enquanto que é admitida a Involução do espírito na matéria para que a forma possa ser construída, não é normalmente reconhecido que a Involução do Espírito corra lado a lado com a Evolução da Forma.  A Forma foi construída pela Evolução: o Espírito construiu e entrou nela pela  Involução; mas os meios para alcançar o aperfeiçoamento são através da Epigénese, que é a possibilidade de se construir algo novo.

  A afirmação da ciência materialista que o homem ascendeu através dos diferentes reinos vegetal  e animal que existem à nossa volta, até aos antropóides e dali para o homem, não é correcta. O homem nunca habitou formas idênticas às dos animais actuais, nem às espécies antropóides de hoje; ele habitou formas parecidas, embora superiores às dos presentes antropóides.


      Os macacos, em lugar de serem os progenitores das espécies superiores, são, na realidade, os atrasados que ocupam formas que degeneraram daquelas que foram um dia  formas humanas. Não foi o homem que ascendeu dos antropóides, o contrário é a verdade — os antropóides degeneraram do homem.     
      A ciência materialista, tratando apenas da Forma, equivocou-se e tirou conclusões erróneas sobre o assunto.   Quando a Epigénese não se processa, quando é inactiva no indivíduo, na família, na nação ou raça — a evolução cessa e começa a degeneração. 
     Progredir ou retroceder é a Lei. A forma que não é capaz de aperfeiçoamento, deve degenerar.  

                                                                                  Conceito Rosacruz do Cosmos
                                                                                 (Capítulo XIV — Involução, Evolução e Epigénese)




sábado, 7 de julho de 2012

Sentimento de culpa...

O dito "sentimento de culpa" é o fundamento de tudo o que o Espírito amolda para si mesmo como karma doloroso a ser resgatado. O ser humano, tão logo se conscientize de ter feito algo em prejuízo de outra pessoa, condói-se e não se liberta da sensação ruim senão quando, de alguma forma, faz a catarse desse sentimento de dor. Ao invés de deixar a oferenda e primeiro buscar a reconciliação, como ensinou o Avatar de Peixes, a maioria prefere ofertar a si próprio em sacrifício, optando por experiências de dor que, desde que bem suportadas, posteriormente o libertarão do veneno da culpa.



Cultivou-se todo um sistema moral em cima das expiações pelos erros, ao invés de cultivar-se o senso de dever e reconciliação que o Mestre ensinou. Tanto pior, a imagem do assassínio e tortura foram erigidos a dogmas de fé ---  Já abordamos isso por aqui.

  • Uma ação para a reconciliação, por menor que seja, vale mais do que uma vida inteira de abnegação improdutiva.
Sempre que a culpa incomodar alguém, muito melhor que se ponha na correção necessária o mais breve possível, abandonando os falsos atalhos e auto-corrupções de justificativas cerebrinas..

sábado, 16 de junho de 2012

Plano das Formas

Muito se vem falando, acertadamente, sobre a percepção essencialmente ilusória da pretensa realidade imediata em que nós, encarnados, nos embalamos. Não é à toa que algumas expressões, de tão óbvias, só ficam claras depois que ampliamos os limites de nossos conceitos. Exemplo: estamos no plano das formas.

Francamente, a expressão é óbvia por si só... O aqui e agora de cada um de nós é, tão somente, uma dimensão de formas. Ninguém disse que é um plano essencial, ou de conteúdo... Sempre e sempre o que se afirma é que é um plano de "formas". 

Um holograma é, na prática, um imenso enredamento de formas. O universo holográfico, paralelamente a todas essas considerações filosóficas, acha-se nas cogitações da ciência mais ortodoxa. Quando um pesquisador abre o crânio de um cadáver a fim de estudar o cérebro em sua intimidade anatômica, apenas consegue ver a holografia que o seu próprio cérebro gera sobre o que seja um... cérebro... Enfim, uma estrutura de hardware que interpreta tudo e tudo a partir de impulsos elétricos é utilizada para entender, a partir dos impulsos interpretados, como essa estrutura funciona... Nem a mais brilhante engenharia reversa permite imaginar que isso pode dar certo...

O mais árduo e doloroso para cada um de nós, talvez, seja concordar que somos construtos fictícios de um imenso enredamento de formas, com uma pequena parcela de processamento de dados. Algo assim como terminais muito restritos, com um chip de potencial mínimo apenas capacitado a perceber e saber-se existente no seio de uma inimaginável rede que, na grande maioria das vezes, não pode ser inteligida pelo terminal...

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Deus e as Crianças

  • Uma criança vai divertir-se com seus amigos, jogando futebol próximo de casa quando uma chuva torna a brincadeira ainda mais lúdica. Gargalhadas inocentes, ou não tão ingênuas assim, permeiam corridas e quedas deslizantes pelas poças e lama... Após gritos e chamados insistentes, reconhecendo a voz da mãe aflita e, com certeza, nervosa, as crianças voltam e são levadas direto para um banho quente. A mãe atenciosa, esfrega orelhas, cabelos, tirando a sujeira que a brincadeira ignorava.
  • A humanidade come do fruto do conhecimento e se deixa levar pela sedução de saber, buscar, conhecer, aprender, ludicamente percorrendo os lamaçais da ignorância em meio à chuva de renovados avanços. O homem muitas vezes prefere negligenciar a Voz de seu Eu Superior, insistindo em continuar no divertido jogo de seu personalismo crescente sob a sedução de sentir-se pleno no individualismo que o aprendizado imediato proporciona. Mas termina ouvindo a Voz quando já se sente na iminência da ira que o reconduzirá ao banho quente com que a sujeira será expungida. Em geral a água quente são lágrimas e a sujeira retirada ganha designações como doença, dor, catástrofe, sofrimento etc.



sábado, 7 de abril de 2012

PÁSCOA

"Páscoa", do hebraico, significa basicamente "passagem". Para os judeus, simboliza a passagem do povo pelo mar vermelho, assumindo o significado de libertação. Para os cristãos, a passagem do Cristo para a Vida Eterna, a ressurreição.


Num ou noutro sentido, a páscoa nos permite momentos de carinho e proximidade com a família e o ensejo de meditarmos sobre nossa passagem pela Terra. 

O Mestre nos ensinou a procurar, primeiro, as coisas do céu... O Pai, conhecendo nossas necessidades, bem cuida de Seus filhos, vindo-nos por acréscimo tudo o que a Vida nos exige.

Nessa passagem, portanto, devemos volver os olhos para cima. Estamos no ponto mais baixo da matéria e, exatamente por isso, nos clama a Luz interior para que elevemos o pensamento e cultivemos os dons magnos da alma.

A Libertação nos vem pela conduta reta, baseada na benevolência, na indulgência e no perdão. 

Desejo a todos que cada pedaço de chocolate seja um carinhoso convite para a ascensão. Que o ovo nos simbolize o germinar da Alma em sua elevação ao Pai. 

EU SOU O QUE EU SOU nos convida em cada momento para a jornada (Ex. 3,14).

E aos que se distanciam nas areias do tempo, deixo minha lembrança e um aceno... Quem se perde na secura do deserto acostuma-se a prantear por um oásis, olvidando que o Sol é o mesmo para todos e igualmente ilumina a senda de cada um.

Lancemos aos monturo toda lamúria e revolta... porquanto, como grãos de uma ampulheta, a passagem flui e a libertação é conquista e não prêmio por lágrimas improdutivas.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Monstro Marinho


'Monstro marinho' encontrado em praia 



intriga moradores nos EUA

Carcaça do animal tem mais de três metros de comprimento.

Para especialista, criatura é na verdade um esturjão do Atlântico.

Do G1, em São Paulo
17 comentários
Uma criatura que foi encontrada em uma praia em Folly Beach, no estado da Carolina do Sul (EUA), deixou os moradores intrigados, segundo a emissora "WBTV".
Criatura foi encontrada em uma praia em Folly Beach. (Foto: Reprodução)Criatura foi encontrada em uma praia em Folly Beach. (Foto: Reprodução)
Após a descoberta da criatura, surgiram várias especulações na internet. Alguns chegaram a afirmar que seria um monstro marinho. A carcaça do animal tem mais de três metros de comprimento.
Para a especialista Shane Boylan, no entanto, o "monstro marinho" é na verdade um esturjão do Atlântico. Apesar de o peixe apresentar uma cor acastanhada - o esturjão tem cor mais clara e prateada -, Shane acredita que a cor mudou por conta da exposição ao sol.
Sobre o fato de a carcaça ter aparência pré-histórica, Shane disse que isso acontece porque o esturjão está entre os peixes mais antigos. A espécie, segundo o Conselho de Defesa dos Recursos Naturais (NRDC), existe desde a última era do gelo, há mais de 13 mil anos.