Aviso

USE O LINK ACIMA PARA CONTATO SOBRE EVENTUAIS ENFRENTAMENTOS DE FASES NEGATIVAS, TROCA DE EXPERIÊNCIAS, BUSCA DE REEQUILÍBRIO.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Uma Palavra Sobre Religiosidade

Muito é mencionado neste Blog sobre a postura dos estudos, sempre alheio à religiosidade comum. De fato, é assim que, segundo entendemos, deve ser feito. No entanto, tanto quanto entre a noite e o dia existe a penumbra acolhedora dos instantes em que o Sol se põe, há também um preciosíssimo espaço entre a frieza marmórea das Leis Universais e as chamas de emoção em que nos embalamos neste plano de aprendizado, ainda nos primeiros passos da aquisição da Serenidade.

Cremos haver equívoco primário na tese de que o evolucionário progride do império dos instintos para a razão. O acervo de impulsos, ou instintos, nos é tão necessário em face da eternidade quanto toda a senda que nos cumpre alcançar integralmente. Os impulsos, ainda nos dias de hoje, estão na essência de todas as emoções que, salvo raríssimas exceções, nos guiam a conduta.

A Evolução, consoante vemos nos aspectos passíveis de compreensão nas miríades de exemplos que o mundo apresenta, parece mesmo um mosaico de talentos conquistados, talentos sob conquista e talentos ainda mal iniciados. Um interfere no outro, ajudando-se mutuamente sob um enredamento muito complexo. Coisas aparentemente insignificantes são, na verdade, tijolos indispensáveis à edificação de aspectos relevantes para o progresso do ser.

Bem por isso vemos desde plantas a pessoas de alto QI sob existências aparentemente inócuas... Um musgo no canto de um muro úmido... Um cantor de músicas de gosto duvidoso, com voz sem nenhum atributo de beleza... Não precisamos identificá-lo, mas é, comprovadamente, dono de um altíssimo quociente de inteligência.

O musgo é fruto de uma criação descriteriosa? Surgiu sem que as Leis Universais sobre ele incidissem? Não cremos...

Menos ainda em relação ao nosso inteligentíssimo cantor, cujos dotes artísticos apequenados ainda mais dele fazem uma pessoa, no mínimo, muito curiosa.

Lembramo-nos daquele enredamento de talentos conquistados, talentos sob conquista e talentos ainda mal iniciados. Um cristal, isto é, uma pedra, é a manifestação da Lei do Progresso no condicionamento de atração e repulsão. O musgo está lá sob a regência da mesma Lei, sabe Deus com que finalidade... O cantor de soberba inteligência, é lícito cogitar, talvez esteja se iniciando em searas antes não eleitas em suas prioridades.

O que tudo isso tem a ver com religiosidade?

Tudo.

Há pessoas com amplo conhecimento da tradição espiritualista (com TODAS as suas contingências) vivenciando a disciplina e abnegação que só a vida religiosa costuma bem adestrar. Certa vez um monge católico disse que a vida monástica não é para quem a deseja, mas sim para quem dela necessita.

Há também pessoas sem quase nenhum conhecimento da tradição espiritualista renegando a religiosidade. Abstraindo-se os de má fé (porquanto para esses sequer cabe algo dizer), ponderamos que há pessoas que, sentindo-se sufocados pelos rígidos limites da vida religiosa, buscam maiores horizontes e sobre eles se põem a considerar mesmo antes de conquistar-lhes alguma noção.

Entre um aspecto e outro, miríades de variações existem.

O importante a considerar é que qualquer abstenção que se manifeste quanto à religiosidade JAMAIS deverá confundir-se com contrariedade, combate ou repúdio.

A Vida nos vem demonstrando que há muita gente realizando excelentes Obras em meio à vida religiosa. Há muita gente realizando excelentes Obras totalmente fora da vida religiosa. Nenhum deles, via de regra, perdem seu tempo defendendo ou combatendo a religião, seja qual for.

Acima de tudo, lembremo-nos da Lei Universal por excelência: o AMOR.

Não sou religioso. Mas não vejo nisso nenhuma virtude, tampouco defeito. 

sábado, 7 de setembro de 2013

Ego e Pensamento

Segundo muitas correntes espiritualistas, notadamente do Oriente, a resultante de consciência que demarca o ser sob a noção de si mesmo não desborda do conceito de Ego. Nossa individualidade é tão ilusória quanto ilusório é o próprio Ego --- já falamos disso por aqui algumas vezes.

Emblemática a imagem sugerida por Krishnamurti, referindo-se aos vários macacos em seu natural êxtase e agitação. Impossível (ou praticamente impossível) coordená-los a fim de obter a serena percepção do que compõem inter-dinamicamente sob unidade --- ou seja, a mente sob o seu pensar compulsivo e indômito.

Não obstante, podemos cogitar de alguns aspectos dos porquês dessa nossa natureza de pensar compulsivamente. Ninguém esquece a imagem do mestre oriental transbordando a xícara do discípulo com chá para demonstrar-lhe que é necessário, primeiro, esvaziar sua mente.

Por que nossa vida mental é de constante agitação? Por que "sofremos" dessa compulsão em pensar, inclusive sobre o que nos seja o próprio "pensar"?

Sem trocadilhos, pensemos...

É da tradição esotérica que o evolucionário ultrapassa evos inteiros de aperfeiçoamento de suas potencialidades. Os minerais condicionam atração e repulsão enquanto que macromoléculas passam a codificar efeitos bioquímicos num contexto bem mais amplo de resultantes, por assim dizer, vitais.

Não vamos reentrar nessas cogitações, mais uma vez. Mas aceitemos que o evolucionário tem, em sua condição atual como ser humano um corpo físico bastante sofisticado. Tanto mais se distancie do adensamento material e os veículos de manifestação de sua consciência, para cada milímetro de eterização em que avança, perde em completitude do domínio dos potenciais, assim, progressivamente ainda latentes.

O duplo etérico, ou holochacra, que faz a interface entre o litossoma (ou corpo físico) e o psicossoma (corpo astral, ou espiritual, ou perispírito, de essência semimaterial, isto é, etérico), parte de um veículo ultimado em seu aperfeiçoamento para os fins a que se destina, ligando-o a um veículo que, sendo bem mais sutil, não atingiu ainda o mesmo grau de elaboração no que concerte às suas próprias potencialidades.

Os rosacruzes (linha de Heindel) dizem que o corpo emocional (o psicossoma) não tem o mesmo nível de desenvolvimento do corpo físico.

Menos desenvolvido ainda, o mentalsoma, ou corpo mental, situa-se em parâmetros vibratórios mais sutis que o próprio psicossoma. No linguajar do esoterismo ocidental, o corpo mental está, por assim dizer, nos planos etéricos mais elevados, naquilo que muitos chamam plano mental.

Cotejando-se o nível de burilamento do corpo físico com o corpo astral e com o corpo mental, a distância entre o primeiro e o último é muito maior do que a distância entre o astral e o físico.

Ocorre que todos os fenômenos mentais têm sua origem no veículo de manifestação da consciência estruturado (melhor dizendo, em processo de estruturação) como corpo mental, no plano mental, sob o grau de sutileza enormemente distante da densidade do astral e astronomicamente distante do plano que aprendemos a chamar de material.

Uma barra de ferro, bem o sabemos, é tudo, menos um amontoado de partículas semelhantes a bolinhas de bilhar sólidas. Na verdade, a quantidade de espaço materialmente vazio nessa barra de ferro é assustadoramente grande. Bem de se ver que o campo astral em que a matéria física se estrutura nessa barra de ferro é ainda muito mais composta de "espaço vazio". O campo mental em que o campo astral se alicerça em seus elementos de constituição praticamente é uma quimera, sob o parâmetro dito "material".

Einstein concebeu o espaço como uma grandeza física que nada (mas nada mesmo) tem a ver com o que concebemos vulgarmente como "nada". O espaço, enquanto espaço, é alguma coisa.

Pois bem.

Considerando que o corpo mental dos seres humanos ainda está em fase meramente gestativa quando comparado com o corpo astral, quase nada sendo quando comparado com o corpo físico, não é difícil entender que o fenômeno essencial que dele advém, ou seja, o pensamento, seja um fenômeno não passível de sumissão ou controle pelos veículos inferiores àquele do qual se origina.

É que o corpo mental, mesmo rudimentar, já é suficientemente complexo para deitar nos planos inferiores (astral e físico) os harmônicos ressonantes que nesses planos podem ser veiculados, tudo no contexto da integração que vincula desde a matéria física até os planos inimagináveis do Pensamento do próprio Criador.

Os instintos foram adquiridos pelo ser humano. Suas emoções acham-se em fase de lapidação já bastante elevada. Já os fenômenos mentais... 

É mesmo de se maravilhar. 

Vivemos com nosso imenso acervo de instintos (os impulsos), aprendendo a lidar com nossa riquíssima vida emocional. Basta-nos o limitadíssimo nível mental até aqui conquistado para que estejamos a meditar sobre tudo isso.

Seria de se esperar que tivéssemos, já agora, o controle de nossos pensamentos?