Aviso

USE O LINK ACIMA PARA CONTATO SOBRE EVENTUAIS ENFRENTAMENTOS DE FASES NEGATIVAS, TROCA DE EXPERIÊNCIAS, BUSCA DE REEQUILÍBRIO.

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Rosacrucianismo - Heindel - 04



O MUNDO DO PENSAMENTO

O Mundo do Pensamento também se compõe de sete Regiões de diversas qualidades e densidades e, à semelhança do Mundo Físico, o Mundo do Pensamento é dividido em duas principais divisões - a Região do Pensamento Concreto, que compreende as quatro regiões mais densas, e a Região do Pensamento Abstrato, que compreende as três regiões de substâncias mais sutis.

O Mundo do Pensamento é o mundo central dos cinco mundos onde o homem obtém seus veículos. Aqui se unem espírito e corpo.

Sabemos que:
• os materiais da Região Química são empregados para construir todas as formas físicas;
• a estas formas são dadas vida e o poder de movimento pelas forças que atuam na Região Etérica;
• algumas dessas formas viventes são impelidas à ação pelos sentimentos gêmeos do Mundo do Desejo;

POIS BEM:
• a Região do Pensamento Concreto proporciona a matéria mental em que se envolvem as idéias geradas na Região do Pensamento Abstrato.
Manifestando-se como pensamentos formas, atuam como reguladores e equilibradores dos impulsos originados no Mundo do Desejo pelos impactos recebidos do Mundo dos fenômenos.

REGIÃO CONTINENTAL
Os arquétipos das formas físicas - não importa a qual reino pertençam - encontram-se na subdivisão mais inferior: "Região Continental".
Nesta Região Continental estão também os arquétipos dos continentes e das ilhas do mundo, os quais são moldados de acordo com esses arquétipos. As modificações da crosta terrestre devem produzir-se primeiramente na Região Continental. Enquanto o arquétipo-modelo não for modificado, as Inteligências, que para encobrir a nossa ignorância, denominamos "Leis da Natureza", não podem produzir as condições físicas que alteram a conformação da Terra e que são determinadas pelas Hierarquias que dirigem a evolução. Estas planejam as mudanças como o arquiteto projeta as alterações num edifício, antes que os operários lhe dêem expressão concreta. Da mesma forma efetuam-se mudanças na flora e na fauna, devido às metamorfoses dos respectivos arquétipos. Quando falamos dos arquétipos, tenhamos que são arquétipos criadores, isto é, modelam as formas do Mundo Físico à sua própria semelhança ou semelhanças, porque freqüentemente muitos trabalham em conjunto para produzir uma certa espécie, cada arquétipo dando de si mesmo a parte necessária para a construção da forma requerida.

REGIÃO OCEÂNICA
A segunda subdivisão da Região do Pensamento Concreto denomina-se "Região Oceânica". Poderia ser melhor descrita como vitalidade fluente e pulsante. Todas as Forças que atuam pelos quatro éteres que constituem a Região Etérica são vistas aqui como arquétipos. E uma corrente de vida que flui através de todas as formas, assim como o sangue circula pelo corpo - a mesma vida em todas as formas.

REGIÃO AÉREA
A "Região Aérea" é a terceira divisão da Região do Pensamento Concreto. Aqui encontramos os arquétipos dos desejos, das paixões, dos sentimentos e das emoções, tais como os que experimentamos no Mundo do Desejo. Aqui todas as atividades do Mundo do Desejo parecem condições atmosféricas. Os sentimentos de prazer e de alegria chegam aos sentidos do clarividente como o beijo das brisas estivais. As aspirações da alma assemelham-se à canção do vento na ramaria do arvoredo, e as paixões das nações em guerra aos lampejos dos relâmpagos. Nesta atmosfera da Região do Pensamento Concreto encontram-se também as imagens das emoções do homem e dos animais.

REGIÃO DAS FORÇAS ARQUETÍPICAS
A "Região das Forças Arquetípicas" é a quarta divisão da Região do Pensamento Concreto. É a Região Central e a mais importante dos cinco mundos onde se efetua a evolução total do homem. De um lado desta Região estão as três regiões superiores do Mundo do Pensamento, mais o Mundo do Espírito de Vida e o Mundo do Espírito Divino. No lado oposto dessa Região de Forças Arquetípicas estão as três regiões inferiores do Mundo do Pensamento, mais o Mundo do Desejo e o Mundo Físico. Portanto esta região torna-se uma espécie de "cruz", limitada de um lado pelos Reinos do Espírito e do outro pelos Mundos da Forma. E o ponto focal por onde o Espírito se reflete na matéria.
Desta Região é que o espírito trabalha na matéria de maneira formativa.
A quinta Região que é a mais próxima do ponto focal pelo lado do Espírito, reflete-se na terceira Região, a mais próxima do ponto focal pelo lado da Forma. A sexta Região reflete-se na segunda, e a sétima na primeira.
Toda a Região do Pensamento Abstrato é refletida no Mundo do Desejo; o Mundo do Espírito de Vida na Região Etérica do Mundo Físico e o Mundo do Espírito Divino na Região Química do Mundo Físico.

Rosacrucianismo - Heindel - 03


O MUNDO DO DESEJO

Como o Mundo Físico e qualquer outro reino da Natureza, o Mundo do Desejo tem sete subdivisões, denominadas "Regiões", mas não tem, como o Mundo Físico, as grandes divisões correspondentes às Regiões Química e Etérica.
A matéria de desejos no Mundo do Desejo persiste, através das suas sete subdivisões ou regiões como substância para a concretização dos desejos. Assim como a Região Química é o reino da forma, e assim como a Região Etérica é o lar das forças que conduzem as atividades vitais nessas formas, assim também as forças do Mundo do Desejo, trabalhando no corpo denso despertado, impelem-no a mover-se em tal ou qual direção.
Se ali existissem apenas as atividades das Regiões Química e Etérica do Mundo Físico, haveriam formas vivas capazes de se mover mas sem qualquer incentivo para tal. Este incentivo é proporcionado pelas forças cósmicas ativas no Mundo do Desejo, e sem esta atividade que atua em todas as fibras do corpo vitalizado, impelindo-o a agir nessa ou naquela direção, não haveria experiência nem crescimento moral. As funções dos diferentes éteres cuidariam do crescimento da forma, mas o desenvolvimento moral ficaria totalmente omisso. A evolução seria impossível tanto para a vida como para as formas, porque estas últimas só evoluem para estágios superiores em razão das sucessivas exigências do crescimento espiritual. Vemos assim a grande importância deste reino da Natureza.
Desejos, aspirações, paixões e sentimentos expressam-se na matéria das diferentes regiões do Mundo do Desejo, como as formas e aspectos se expressam na Região Química do Mundo Físico. Tomam formas que duram mais ou menos tempo, de acordo com a intensidade do desejo, aspiração ou sentimento que encerram.
No Mundo do Desejo a distinção entre força e matéria não é tão definida e aparente como no Mundo Físico. Pode-se dizer até que ali as idéias de força e matéria são idênticas ou permutáveis. Não é propriamente assim, mas podemos afirmar que até certo ponto o Mundo do Desejo se compõe de força-matéria.
A lei que rege a matéria da Região Química é a da inércia, ou seja, a tendência a permanecer em status quo. Tal não acontece com a matéria do Mundo do Desejo. Essa matéria em si própria, é quase vivente. Está em movimento incessante, fluídico, tomando todas as formas imagináveis e inimagináveis, com inconcebível facilidade e rapidez, brilhando ao mesmo tempo com milhares de cores coruscantes, sem termo de comparação com qualquer coisa que conhecemos neste estado físico de consciência.
Para chegar-se à compreensão exata do Mundo do Desejo é preciso compreender-se que esse é o Mundo dos Sentimentos, Desejos e Emoções, que estão sob o domínio de duas grandes forças - Atração e Repulsão.
Estas forças atuam nas três regiões mais densas do Mundo do Desejo de modo diferente daquele em que agem nas três regiões mais sutis ou superiores. A Região Central pode ser chamada de neutra.
Esta Região Central é a Região do Sentimento. Aqui o interesse ou a indiferença por alguma idéia ou objeto produz o desequilíbrio em favor de uma ou outra das forças já mencionadas, relegando assim, o objeto ou idéia às três regiões superiores ou às três regiões inferiores do Mundo do Desejo, ou mesmo expulsando-as dali.
Na substância mais fina e sutil das três regiões superiores do Mundo do Desejo só a força de Atração atua, embora ela também se encontre presente em certo grau na matéria mais densa das três regiões inferiores, onde atua contra a força de Repulsão que ali domina.
A desintegrante Força de Repulsão destruiria, de imediato, qualquer forma que entrasse nessas três regiões inferiores, não fora a ação neutralizadora daquela. Na região mais densa e mais inferior, onde é mais poderosa, a Força de Repulsão agita e dissolve violentamente as formas ali constituídas. As formas que ali se encontram são criações demoníacas, construídas pelas paixões e desejos mais brutais dos animais e do homem.
A tendência de todas as formas no Mundo do Desejo é atrair para si as de natureza semelhante, e consequentemente crescer. Se esta tendência para a atração fosse predominante nas regiões inferiores, o Mal cresceria como o joio, e a anarquia em vez da ordem predominaria no Cosmos. Isso é evitado pela preponderante Força de Repulsão nessa Região. Quando uma forma criada por um desejo brutal é atraída para outra da mesma natureza, cada uma exerce sobre a semelhante um efeito desintegrante, produto da desarmonia existente nas respectivas vibrações. Assim, em vez de fundir-se mal com mal, mutuamente eles se destroem, e deste modo o mal no mundo conserva-se dentro de limites razoáveis. Quando compreendemos o efeito destas duas forças gêmeas em ação, podemos também entender a máxima ocultista que diz: "Uma mentira no Mundo do Desejo é, ao mesmo tempo, assassina e suicida".
Tudo quanto sucede no Mundo Físico é refletido em todos os outros reinos da Natureza e, como vimos, cria sua forma apropriada no Mundo do Desejo. Quando se descreve com exatidão um acontecimento, é construída no Mundo do Desejo uma forma exatamente igual à descrita. Uma atrai a outra, juntam-se e mutuamente se fortificam. Todavia, se for dada versão diferente ou falsa, produz-se uma forma diferente, contrária à primeira, ou seja, à verdadeira. Convergentes no mesmo assunto, unem-se, mas como as vibrações são diferentes atuam uma sobre a outra de maneira mutuamente destruidora. Portanto, o mal e as mentiras maliciosas quanto mais fortes e amiúde repetidos podem destruir o que é bom. Mas, pelo contrário, se buscarmos o bem no mal, com o tempo o mal acabará se transformando em bem. Se a forma que se constrói para diminuir o mal é fraca, não terá efeito algum e será destruída pela forma maligna; mas se é forte e repetida freqüentemente, sua ação desintegrará o mal e substituí-lo-á pelo bem. Este resultado, bem entendido, não se alcança lutando contra o mal, nem negando-o ou mentindo, mas sim procurando o bem. O ocultista científico pratica rigidamente o princípio de procurar o bem em todas as coisas, por saber quanto poder tem este principio para reprimir o mal.
Conta-se algo de Cristo que ilustra este ponto. Uma vez, caminhando com Seus discípulos passaram pelo cadáver de um cachorro em estado de putrefação. Os discípulos voltaram o rosto, comentando com aborrecimento o nauseante espetáculo, mas Cristo olhou o cadáver e disse: "As pérolas são menos alvas que seus dentes". Ele estava determinado a encontrar o bem naquilo, pois sabia do benéfico efeito que produziria no Mundo do Desejo ao dar-lhe expressão.
A Região mais inferior do Mundo do Desejo é chamada "Região da Paixão e do Desejo Sensual".
A segunda subdivisão é melhor descrita por "Região da Impressionabilidade". Aqui o efeito das forças gêmeas, Atração e Repulsão, é bem equilibrado. Esta é uma região neutra, daí todas as nossas impressões formadas por matéria dessa região serem também neutras. Somente quando os sentimentos gêmeos da quarta Região entram em ação, é que as forças gêmeas começam a atuar. A mera impressão de alguma coisa em si ou de si mesmo é inteiramente separada do sentimento gerado. Tais impressões são neutras e constituem uma atividade da segunda Região do Mundo do Desejo, onde as imagens se formam pelas forças de percepção sensorial do Corpo Vital do homem.
Na terceira Região do Mundo do Desejo a Força de Atração, integrante e construtiva, sobrepõe-se à tendência destruidora da Força de Repulsão. Se compreendemos que a mola, o motivo da Força de Repulsão é a afirmação de si mesma, pelo que repele todas as demais, podemos entender por que a substância da terceira Região do Mundo do Desejo, dominada principalmente pela Força de Atração, abre caminho aos desejos de outras coisas, mas de uma maneira egoísta. Por isso é chamada "Região dos Desejos".
A Região dos Desejos Inferiores pode comparar-se aos sólidos do Mundo Físico.
A "Região da Impressionabilidade" aos fluidos.
A "Região dos Desejos", de natureza flutuante e evanescente, pode comparar-se à parte gasosa do Mundo Físico.
A quarta Região do Mundo do Desejo é a "Região do Sentimento". Dela surgem os sentimentos relativos às formas já descritas e, dos sentimentos por elas gerados, depende a vida que terão e também o efeito que exercerão sobre nós. Neste estágio não importa que os objetos ou idéias sejam bons ou maus. Nosso sentimento, seja de interesse seja de indiferença, é aqui o fator determinante do destino do objeto ou da idéia.
Se o Sentimento produzido pela impressão de um objeto ou de uma idéia é de Interesse, tal Sentimento tem sobre essa impressão o mesmo efeito que a luz solar e o ar sobre a planta. Tal idéia crescerá e florescerá em nossas vidas. Se, ao contrário, o sentimento produzido por uma impressão é de Indiferença, essa impressão murchará como uma planta posta em sótão escuro.
Assim, desta Região Central do Mundo do Desejo vem o incentivo para a ação ou a deliberação para refreá-la (ainda que esta última seja também uma ação aos olhos do ocultista cientista) pois, em nosso presente estágio de desenvolvimento, os Sentimentos gêmeos Interesse e Indiferença proporcionam o incentivo para a ação e são as molas que movem o mundo. Em estágio ulterior de desenvolvimento esses Sentimentos deixarão de ter importância. Então, o fator determinante será o Dever.
O Interesse desperta as Forças de Atração ou as de Repulsão.
A Indiferença simplesmente enfraquece o objeto ou idéia aos quais se endereça, pelo menos no que tango à nossa ligação com eles.
Se nosso interesse por um objeto ou idéia gera a Repulsão, isso naturalmente leva-nos a cortar de nossas vidas qualquer conexão com esse objeto ou idéia que a despertou. Mas existe uma grande diferença entre a ação da Força de Repulsão e o simples Sentimento de Indiferença:
Suponhamos que três homens vão por um caminho e encontram um cachorro doente, coberto de chagas, sofrendo intensamente com dores e sede. E uma evidência para os três homens - os seus sentidos assim o dizem. Agora, vem o Sentimento. Dois desses homens têm "interesse" pelo animal mas, no terceiro produz-se um sentimento de "indiferença". Este, afasta-se deixando o cão entregue ao seu destino. Os outros dois detêm-se: ambos estão interessados, mas cada um se manifesta de maneira bastante diferente. O interesse de um homem desperta-lhe a simpatia e o desejo de socorrer, impelindo-o a ajudar o pobre animal, a mitigar-lhe a dor, a curá-lo. Nele o sentimento de Interesse despertou a Força de Atração. O Interesse do outro homem é de natureza diferente: ele vê apenas um espetáculo repugnante que lhe provoca náuseas, dele desejando livrar-se e ao mundo o mais rapidamente possível. Aconselha pois, que matem o animal e o enterrem. Neste o Interesse gera a força destrutiva da Repulsão.
Quando o sentimento de Interesse desperta a Força de Atração e é dirigido para objetos e desejos inferiores, estes atuam nas regiões inferiores do Mundo do Desejo, onde a Força de Repulsão neutralizante se manifesta. A luta travada entre essas duas forças gêmeas - Atração e Repulsão - produz todas as dores e sofrimentos resultantes das ações errôneas e dos esforços mal orientados, sejam ou não intencionais.
Por conseguinte, bem podemos ver quanto é importante o nosso sentimento em relação às coisas, porque dele depende a natureza do ambiente que criamos para nós mesmos. Se amamos o bem, resguardaremos e alimentaremos tudo o que é bom em volta de nós quais anjos da guarda. Se fizermos o contrário povoaremos nosso caminho de demônios, criados por nós mesmos.

Os nomes das três Regiões Superiores do Mundo do Desejo são:
• "Região da Vida Anímica"
• "Região da Luz Anímica" e
• "Região do Poder Anímico"
Nestas regiões habitam a Arte, o Altruísmo, a Filantropia e todas as atividades superiores da vida anímica. Quando pensamos nessas regiões como irradiando sobre as formas das regiões inferiores as qualidades indicadas pelos seus nomes, podemos compreender de forma exata as atividades superiores e inferiores.
O Mundo Físico e o Mundo do Desejo não são separados um do outro pelo espaço. Estão "mais próximos do que as mãos e os pés". Não é necessário deslocar-se para ir de um a outro, nem para ir de uma região a outra que lhe seja próxima. Assim como em nosso corpo se encontram os sólidos, os líquidos e os gases, interpenetrando-se uns aos outros, assim também estão as diferentes Regiões do Mundo do Desejo dentro de nós.

Rosacrucianismo - Heindel - 02


A REGIÃO ETÉRICA DO MUNDO FÍSICO

A melhor forma de conhecer os segredos da natureza é o investigador aperfeiçoar-se a si mesmo. O homem tem em si faculdades que eliminam a distância, e em grau muito maior do que os mais potentes telescópios e microscópios podem consegui-lo em comparação com o olho nu. Para o clarividente exercitado o éter é tão tangível como os sólidos, os líquidos e os gases da Região Química o são para o homem comum. Ele vê as forças vitais - que dão vida às formas minerais, vegetais, animais e humanas - fluindo nestas formas por meio de quatro estados de éter:

ÉTER QUÍMICO
Este éter é simultaneamente positivo e negativo em suas manifestações.
As forças que produzem a assimilação e a excreção agem por seu intermédio.
A assimilação ocorre pela ação de forças que agem pelo pólo positivo do Éter Químico, atraindo os elementos necessários e modelando-os em formas apropriadas, de modo seletivo (muito conhecido dos cientistas por seus efeitos), realizando assim o seu propósito, que é o crescimento e a manutenção do corpo.
A excreção é efetuada por forças da mesma espécie, mas atuantes pelo pólo negativo do Éter Químico. São expelidos do corpo os materiais que, contidos no alimento, são impróprios para o seu uso ou que, tendo prestado toda a utilidade ao organismo, devem ser eliminados do sistema.

ÉTER DE VIDA
É o meio pelo qual atuam as forças de propagação, cujo objetivo é a manutenção das espécies. Tem também seus pólos positivo e negativo.
As forças que trabalham pelo pólo positivo são aquelas que atuam na fêmea durante o período de gestação, capacitando-a para o trabalho ativo e positivo de formação de um novo ser.
As forças que trabalham pelo pólo negativo do Éter de Vida dão ao macho a capacidade de produzir o sêmen.
As forças que atuam pelo pólo positivo do Éter de Vida produzem seres do sexo masculino, enquanto que as forças que se expressam pelo pólo negativo geram fêmeas.

ÉTER DE LUZ
É também positivo e negativo.
As forças que atuam pelo seu pólo positivo são as que geram o calor do sangue nos animais superiores e no homem, convertendo-os em fontes individuais de calor.
As forças que atuam pelo seu pólo negativo operam através dos sentidos, manifestando-se como funções passivas de visão, audição, tato, olfato e paladar. São também as que constróem e nutrem os olhos.
Nos animais de sangue frio, o pólo positivo do Éter de Luz é o veículo das forças que fazem circular o sangue. Quanto às forças negativas, estas atuam do mesmo modo que nos animais superiores ou no homem com relação aos olhos. Onde estes não existem, as forças que trabalham pelo pólo negativo do Éter de Luz possivelmente constróem e nutrem outros órgãos sensoriais conforme o fazem em tudo o que possui tais órgãos.
Nas plantas, as forças que atuam pelo pólo positivo deste Éter produzem a circulação da seiva. As forças que atuam pelo pólo negativo do Éter de Luz formam a clorofila - a substância verde das plantas - e também cobrem as flores.

ÉTER REFLETOR
Todo acontecimento deixa depois de si sua imagem indelével no Éter Refletor. Os pensamentos e atos de todos os homens são gravados indelevelmente pela Natureza neste Éter Refletor, onde o vidente treinado pode ler a história de cada um com exatidão proporcional à sua habilidade. Por mais de uma razão o Éter Refletor é assim denominado, pois as imagens nele encontradas são apenas reflexos da Memória da Natureza.
A verdadeira Memória da Natureza encontra-se em reino muito mais elevado. Nenhum clarividente muito desenvolvido preocupa-se em ler esse éter, que apresenta imagens nebulosas e vagas comparadas com as do reino superior. Neste Éter Refletor lêem os que não têm escolha, os que na realidade não sabem em que estão lendo. Como de regra, os psicômetras e os médiuns obtêm suas informações neste éter. Até certo ponto o estudante das escolas ocultistas, nos primeiros estágios do seu desenvolvimento, também investiga neste Éter Refletor, mas é prevenido pelo Instrutor da insuficiência do mesmo como meio de adquirir informações corretas, o que evita que ele venha a tirar conclusões erradas.
Este éter é também o meio pelo qual o pensamento impressiona o cérebro humano. Está intimamente relacionado com a quarta subdivisão do Mundo do Pensamento, a mais elevada das quatro subdivisões contidas na Região do Pensamento Concreto - a pátria da mente humana. Ali se encontra uma versão muito mais clara da Memória da Natureza do que no Éter Refletor.

Rosacrucianismo - Heindel - 01


O primeiro passo em Ocultismo consiste no estudo dos mundos invisíveis.
Na vida só uma coisa é certa: a Morte! Quando passarmos para o além e enfrentarmos novas condições, o conhecimento que possuirmos delas ser-nos-á sem dúvida de grande auxílio.
Para compreender-se o Mundo Físico que é o mundo dos efeitos, é necessário compreender-se o mundo suprafísico, que é o mundo das causas. Se colocarmos um prato de água gelada numa atmosfera de baixíssima temperatura, logo começarão a formar-se cristais de gelo, e poderemos observar então o processo de sua formação. As linhas em que a água se cristaliza foram durante todo o tempo linhas de força invisíveis até o momento do congelamento da água. As maravilhosas "flores de gelo" que a geada forma nos vidros das janelas são manifestações visíveis das correntes dos Mundos superiores que atuam constantemente sobre nós e, embora ignoradas pela maioria, nem por isso são menos poderosas.
Os Mundos superiores são portanto os mundos das causas, das forças, de forma que não poderemos compreender bem este mundo inferior sem conhecer os outros e sem compreender as forças e as causas, das quais todas as coisas materiais são meros efeitos.

A REGIÃO QUÍMICA DO MUNDO FÍSICO

Nos ensinamentos Rosacruzes, o Universo divide-se em sete diferentes Mundos ou estados de matéria, a saber:
1 - Mundo de Deus.
2 - Mundo dos Espíritos Virginais.
3 - Mundo do Espírito Divino.
4 - Mundo do Espírito de Vida.
5 - Mundo do Pensamento.
6 - Mundo do Desejo.
7 - Mundo Físico.
A matéria desses Mundos varia em densidade também, sendo o Mundo Físico o mais denso dos sete. Cada Mundo subdivide-se em sete Regiões, ou subdivisões de matéria.
No Mundo Físico os sólidos, os líquidos e os gases formam as três subdivisões mais densas, e as quatro restantes são constituídas por éteres de densidades variadas. Nos outros Mundos são necessárias subdivisões idênticas porque a densidade da matéria de que são compostos não é uniforme.
As três subdivisões densas do Mundo Físico - sólidos, líquidos e gases - constituem o que se chama de Região Química. A substância dessa Região é a base de todas as Formas densas. O Éter também é matéria física e existe em quatro estados diferentes. Constitui o meio de ingresso para o espírito vivificante, o qual infunde vitalidade às formas da Região Química. Essas quatro subdivisões mais sutis ou etéricas do Mundo Físico constituem o que se conhece por Região Etérica.
Da matéria química constituíram-se todas as formas: mineral, vegetal, animal e humana, daí serem esses corpos tão químicos como as substâncias assim comumente chamadas. O que determina a conformação dessa substância básica nas múltiplas variedades de Formas que observamos ao nosso redor é o Espírito Universal Uno, expressando-se a Si próprio no Mundo Visível sob a forma de quatro grandes correntes de Vida, em variados graus de desenvolvimento.
Em certo sentido, o Mundo Físico é uma espécie de Escola-Modelo ou um laboratório experimental, onde se aprende a trabalhar corretamente nos outros mundos, conheçamos ou não a sua existência, o que prova a grande sabedoria dos criadores do plano. Se apenas conhecêssemos os Mundos superiores, cometeríamos muitos erros que só se revelariam quando as condições físicas fossem utilizadas como critério.
Para ilustrar, imaginemos o caso de um inventor que idealiza uma máquina: primeiro ele a constrói em pensamento, mentalmente ele a vê completa e realizando com perfeição o trabalho para o qual foi planejada. Em seguida ele a desenha, e ao fazê-lo possivelmente julga necessária alguma modificação no modelo primitivo. Quando, a partir do desenho, dá-se por satisfeito ao ver sua idéia praticável, passa então a construir a máquina com o material apropriado. Agora, é quase certo haver necessidade de novas modificações antes que a máquina funcione como se pretendia. Pode ainda ser necessário modificá-la totalmente, ou até mesmo concluir-se que o modelo, em seu todo e como se apresenta seja completamente inútil, deva ser rejeitado e um novo plano precise ser elaborado. Mas observe o seguinte, porque isto é importante: a nova idéia, ou plano, será reformulada para eliminar os defeitos da máquina primitiva. E se não fosse construída uma máquina material que evidenciasse os defeitos da primeira idéia, uma segunda e correta idéia não poderia ser formulada.

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Ideoplastias - durabilidade

Quanto mais simples a ideoplastia, os automatismos se deflagram pelo pensamento com maior eficácia. A mente de uma pessoa com parcos conhecimentos e apenas mediana evolução é suficiente para coordenar milhões de operações que os evos amoldaram no fenômeno Vida. Os fluxos de energia do corpo espiritual correspondem a fluxos bioquímicos no corpo físico; cada plexo nervoso corresponde a um chacra; temos um acervo gigantesco de automatismos conquistados na longa jornada de progresso desde o início, como princípio inteligente.

Da mesma forma, um anel, a roupa, objetos que nos sejam relevantes à emoção, plasmamos por automatismo diretamente no meio fluídico, mesmo sem saber como o fazemos. Se for uma aliança que usamos por quase toda a vida física, estará conosco provavelmente até a próxima encarnação. Será uma ideoplastia constante, duradoura, contínua. Será uma "programação" realizada pelos automatismos conquistados.

Para um Espírito de alta condição evolutiva (ou uma equipe deles, enfim...) é possível a estruturação de todo um hospital, item por item... Com conhecimento específico de como funcionam os "comandos" da programação ou não (muito provavelmente, não), sabem que podem fazê-lo por mentalização e podem fixar-lhes duração.

Se pensarmos, talvez, em um ser MUITO evoluído, esse sim provavelmente pode e realiza ideoplastias que enraízam no plano físico, mantendo agregada a matéria física. Chego (apesar de ser uma analogia até pueril) a pensar que somente o Criador conhece a programação bit a bit.

Apesar da Doutrina Espirita não especificar senão Deus, Espírito e Matéria, as emanações do Criador estão presentes em muitas (quiçá todas) as tradições espiritualistas. Não são seres como entendemos, como individualidades, ma sim "delegações" do poder divino que são acionadas em estamentos inferiores nos automatismos que o pensamento do criador esparge no todo universal. São, em tosca comparação, como que segmentos da inteligência de Deus para a realização dos seus fins através do pensamento daqueles que, criados para contribuir com a Obra, operam nos planos progressivamente mais densos.

Uma egrégora do astral inferior operará nos automatismos, porém toscamente por ser uma egrégora, mais difusa, menos delineada, durável porém sem o refino de uma alta definição de forma e conteúdo.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Orixás - Vibrações - Emanações da Divindade




Sobre a ideoplastia ambiente e seu caráter duradouro.
Do livro "Evolução no Planeta Azul" - Médium Norberto Peixoto - Ramatís
Nessa passagem, o Espírito comunicante é VOVÓ MARIA CONGA
PERGUNTA: - Diante da "complexidade" do tema ao espiritualista menos familiarizado como esoterismo umbandista, pedimos o vosso comentário sobre o que efetivamente sejam os orixás.
RESPOSTA:
Tentaremos ser o mais direta e simples possível, utilizando exemplos aos menos chegados ao esoterismo umbandista, facilitando o entendimento ao maior número de filhos.
Existem plano vibratórios que estão paralelos em densidade e frequência, mas interpostos uns aos outros.
Quando um recém-desencarnado que foi socorrido desperta em um hospital espiritual do Plano Astral, ele se encontra num entreposto transitório, intermediário entre duas dimensões de vida diferentes. Essas estruturas energéticas são "construídas" por seres espirituais de alta estirpe, que elaboram formas mentais e as plasmam com o pensamento no éter que a todos envolve. Desse hospital, passará para a dimensão correspondente ao seu nível energético e padrão vibracional do corpo astral. Há os que continuam perambulando no que os filhos denominam Umbral, que podemos chamar Astral Inferior, uma região muito "pesada" e que reflete o estado íntimo de cada criatura que por ali se encontra.
Tudo é exteriorizado das mentes afins,  com formas de cavernas escuras, abismos intermináveis, favelas e cidades medievais perdidas no tempo. O que regula a manifestação de todos esses espíritos nas formas plasmadas, do físico ao plano dimensional mais rarefeito que os filhos possam conceber,são os orixás, verdadeiras vibrações cósmicas provindas do hálito de Deus. Quando um espírito elevado plasma, com sua força mental, um hospital no Astral, essa formação energética se mantem indefinidamente pelas leis reguladoras dos orixás. Os espíritos não precisam ficar o tempo todo mentalizando para manter a forma requerida.
Assim é no Universo infinito, onde essas posições vibradas, ou orixás, se fazem presentes em todo os planos em que a vida espiritual se viabiliza pela manifestação nas formas. Os orixás não encarnam e são princípios vibratórios regentes no Cosmo.
[...]
(págs. 162/163)


O conceito expresso de "orixá" no texto refere-se ao Fluido Cósmico Universal, porém na acepção de emanação constante do Criador. Algo mais próximo do conceito que vemos na Cabala, acerca das emanações de Deus.

O mais interessante, por um lado, é que denota uma concepção de "orixás" que desmistifica a imagem primitiva de meras deidades (o que fica mais claro ainda em outros trechos desse mesmo livro), além de reforçar a concepção de vibrações, ondulatória, padrões de interferência e mútua interação por sintonia e ressonância, complementando que há propriedades (digamos, os "orixás") que se ajustam a determinados padrões de realização pelo pensamento. Por outro lado, esses padrões invocados, desde que por um pensamento suficientemente adestrado, plasma ideoplastias duradouras, em construtos que permanecem; ao mesmo tempo, as mentes que se irmanam no desajuste, ressonando no padrão deformado amoldam os rspectivos construtos também duradouros não pelo adestramento da mente, mas pela conjugação de uma egrégora inteira de miríades de desencarnados ressonantes. Uma mente adestrada pode plasmar um ambiente duradouro e harmônico; milhares de mentes desajustadas, comungam o que têm em sintonia na ideoplastia doentia de que são capazes.